Estudo usa o Patient SafetyNet™ da Masimo e o rainbow Acoustic Monitoring® (Monitoramento Acústico rainbow) para investigar a incidência de dessaturação e bradipneia em pacientes pós-operatórios

NEUCHÂTEL, Suíça 21/11/2019 –

A Masimo (NASDAQ: MASI) anunciou hoje que, em um estudo recentemente publicado no Journal of Clinical Monitoring and Computing, pesquisadores da Nippon Medical School em Tóquio, Japão, usaram o Patient SafetyNet™ da Masimo e o rainbow Acoustic Monitoring® (RAM®), monitorização da taxa de respiração acústica com RRa®, como um sistema de monitoramento contínuo centralizado para identificar a incidência e preditores de dessaturação e bradipneia em pacientes no pós-operatório – concluindo que “o uso de sistemas de monitoramento pode fornecer uma rede de segurança para pacientes no pós-operatório”.1

Este comunicado de imprensa inclui multimédia. Veja o comunicado completo aqui: https://www.businesswire.com/news/home/20191121005684/pt/

Masimo Patient SafetyNet™, Root® with Radius-7®, RRa®, and SET® (Photo: Business Wire)

Masimo Patient SafetyNet™, Root® with Radius-7®, RRa®, and SET® (Photo: Business Wire)

O Patient SafetyNet é um sistema suplementar de monitoramento remoto, vigilância de pacientes e notificação clínica que trabalha em conjunto com a Masimo e dispositivos de monitoramento de cabeceira de terceiros para exibir dados quase em tempo real nas estações centrais. A RAM com RRa usa um transdutor acústico posicionado no pescoço do paciente para fornecer monitoramento contínuo e não invasivo da respiração.

Levantando a hipótese de que dessaturação e bradipneia pós-operatórias podem ocorrer mesmo em pacientes não internados em UTIs sem complicações graves e em pacientes que não foram submetidos a grandes cirurgias, os drs. Masashi Ishikawa e Atsuhiro Sakamoto montaram um sistema de monitoramento pós-operatório centralizado na enfermaria geral para investigar quão comuns são esses eventos para esses pacientes (e o que pode prevê-los). Eles analisaram dados demográficos e de monitoramento de 1.064 pacientes adultos submetidosàanestesia geral por vários procedimentos cirúrgicos durante um período de quatro meses. Os pacientes foram monitorados usando um oxímetro de pulso e um sensor RRa por pelo menos 8 horas após a cirurgia, dados que foram automaticamente transferidos para o Patient SafetyNet.

A partir dos dados armazenados no Patient SafetyNet, os pesquisadores foram capazes de analisar retrospectivamente a incidência de dessaturação (definido como SpO2 < 90% para > 10 segundos) e bradipneia (definida como frequência respiratória < 8 respirações/minuto para > 2 minutos). Eles descobriram que 12,1% dos pacientes exibiram dessaturação (244 eventos entre 129 pacientes), com a maioria ocorrendo após o término da administração de oxigênio e 50,8% dos eventos ocorrendo mais de 8 horas após a cirurgia. Eles descobriram que 5,1% dos pacientes exibiram bradipneia (112 vezes entre 54 pacientes), com 72,3% dos eventos ocorrendo durante a suplementação de oxigênio e com maior incidência na primeira hora após a cirurgia. Idade, índice de massa corporal e estado de tabagismo atual foram fatores de risco significativos para a dessaturação. A síndrome da apneia do sono e a administração de opioides no pós-operatório foram fatores de risco significativos para bradipneia. A idade e a administração de opioides no pós-operatório foram fatores de risco significativos para a combinação de dessaturação e bradipneia.

Os pesquisadores concluíram: “Nosso estudo sugere que o uso de um sistema de monitoramento respiratório contínuo e centralizado durante a noite no pós-operatório é desejável para o tratamento pós-operatório na enfermaria geral, o que provavelmente melhoraria a segurança dos pacientes no pós-operatório, especialmente aqueles com fatores de risco para depressão respiratória.”

Os pesquisadores comentaram vários métodos de monitoramento da frequência respiratória, afirmando: “O monitoramento contínuo e centralizado da saturação de oxigênio e da frequência respiratória pode detectar depressão respiratória antes de resultar em eventos críticos, como parada cardíaca. Atualmente, vários métodos de monitoramento da frequência respiratória são utilizados, incluindo contagem manual de respirações por um cuidador, capnografia e medição de impedância transtorácica. A contagem manual de respirações (como ausculta) é um método intermitente, trabalhoso e pouco confiável. A capnografia fornece monitoramento preciso e contínuo, mas requer uma interface nasal ou facial, que pode ser desconfortável e pode levaràfalha se a interface for movida. A impedância transtorácica é não-invasiva e pode detectar esforços respiratórios, mas é incapaz de detectar hipoventilação alveolar causada por obstrução das vias aéreas.”2-6

Além disso, os pesquisadores comentaram sobre a RAM com RRa, o método de monitoramento da frequência respiratória usado no presente estudo, e referenciaram outro estudo no qual foram comparados RRa e capnografia, afirmando: “A RRa é um dispositivo de monitoramento acústico que mede continuamente a frequência respiratória e é tão precisa quanto a capnografia em pacientes extubados.7 As atividades do paciente, como conversar, tossir e chorar, afetam os resultados da RRa e da capnografia. Os erros de medição durante essas atividades, no entanto, não são clinicamente relevantes porque exigem que os pacientes estejam acordados e respirando. Além disso, o sensor RRa parece ser bem tolerado e não mais sujeito a erros do que a capnografia.7 O RRa foi considerado um dispositivo confiável e teve menos complicações neste estudo. ”

@MasimoInnovates | #Masimo

Sobre a Masimo

A Masimo (NASDAQ: MASI) é uma empresa médica global que desenvolve e produz uma vasta gama de tecnologias líderes no setor, o que inclui soluções inovadoras de aferição, sensores, monitores de pacientes, automação e conectividade. Nossa missão é melhorar os resultados do paciente e reduzir o custo do tratamento. A SET® da Masimo, por meio de oximetria de pulso Measure-through Motion and Low Perfusion™, introduzida em 1995, mostrou em mais de cem estudos independentes e objetivos que supera outras tecnologias de oximetria de pulso.8 A SET® da Masimo também demonstrou ajudar médicos a reduzir a retinopatia de prematuridade em neonatos,9 aumentou a detecção de CCC em recém-nascidos,10 e, ao ser usada para monitoramento contínuo com o sistema Patient SafetyNet™ da Masimo em enfermarias de pós-cirurgia, reduziu custos, transferências de UTI e ativações de resposta de emergência rápidas.11-13 Estima-se que a SET® da Masimo seja usada em mais de cem milhões de pacientes e hospitais líderes e outros locais de assistência médica ao redor do mundo,14 e que seja a oximetria de pulso principal em nove de cada dez hospitais de acordo com a Lista de Honra dos Melhores Hospitais U.S. News and World Report em 2019-2020.15 A Masimo continua a aprimorar a SET® e anunciou em 2018 que a precisão de SpO2 em sensores RD SET® em condições de movimento foi melhorada significativamente, o que proporcionou aos médicos mais confiança de que os valores de SpO2 dos quais eles dependem refletem com precisão o estado fisiológico do paciente. Em 2005, a Masimo introduziu a tecnologia rainbow® Pulse CO-Oximetry, permitindo o monitoramento não invasivo e contínuo dos componentes sanguíneos que anteriormente só podiam ser verificados invasivamente, inclusive a hemoglobina total (SpHb®), teor de oxigênio (SpOC™), carboxihemoglobina (SpCO®), metemoglobina (SpMet®), os índices Pleth Variability Index (PVi®), RPVi™ (rainbow® PVi) e o Oxygen Reserve Index (ORi™). Em 2013, a Masimo introduziu o monitoramento de paciente Root® e a Connectivity Platform (plataforma de conectividade), construídos do zero para serem o mais flexíveis e expansíveis possível para facilitar a adição de outras tecnologias de monitoramento da Masimo ou de terceiros; adições fundamentais da Masimo incluem o equipamento de monitoramento de função cerebral de próxima geração SedLine®, oximetria regional O3® e capnografia ISA™ com tubos de amostragem NomoLine®. A família de Pulse CO-Oximeters® de monitoramento pontual da Masimo inclui dispositivos projetados para uso em diversas situações clínicas e não clínicas, incluindo tecnologia sem fio e usáveis, tais como Radius-7® e Radius PPG™, dispositivos portáteis como Rad-67™, oxímetros de pulso de dedo como o MightySat® Rx e dispositivos disponíveis para uso, seja em um hospital ou em casa, como o Rad-97®. As soluções de automação e conectividade hospitalar da Masimo estão baseadas na plataforma Iris® e incluem Iris Gateway®, Patient SafetyNet, Replica, Halo ION™, UniView™, e Doctella™. Outras informações sobre a Masimo e seus produtos estão disponíveis no site www.masimo.com. Os estudos clínicos publicados sobre os produtos da Masimo estão disponíveis em www.masimo.com/evidence/featured-studies/feature/.

ORi e RPVi não receberam liberação FDA 510(k) e não estão disponíveis para venda nos Estados Unidos. A marca comercial Patient SafetyNet é usada sob licença da University HealthSystem Consortium.

Referências

  1. Ishikawa M and Sakamoto A. Postoperative desaturation and bradypnea after general anesthesia in non-ICU patients: a retrospective evaluation. J Clin Monit Comput. 2 mar 2019. https://doi.org/10.1007/s10877-019-00293-0.
  2. Petterson MT, Begnoche VL e Graybeal JM. The effect of motion on pulse oximetry and its clinical significance. Anesth Analg. 2007;105(6 Suppl):78–84.
  3. Wilkinson JN, e Thanawala VU. Thoracic impedance monitoring of respiratory rate during sedation—is it safe? Anestesia. 2009;64(4):455–6.
  4. Cohen KP, Ladd WM, Beams DM, Sheers WS, Radwin RG, Tompkins WJ e Webster JG. Comparison of impedance and inductance ventilation sensors on adults during breathing, motion, and simulated airway obstruction. IEEE Trans Biomed Eng. 1997;44(7):555–66.
  5. Drummond GB, Nimmo AF, e Elton RA. Thoracic impedance used for measuring chest wall movement in postoperative patients. Br J Anaesth. 1996;77(3):327–32.
  6. Brouillette RT, Morrow AS, Weese-Mayer DE, e Hunt CE. Comparison of respiratory inductive plethysmography and thoracic impedance for apnea monitoring. J Pediatr. 1987;111(3):377–83.
  7. Mimoz O, Benard T, Gaucher A, Frasca D, and Debaene B. Accuracy of respiratory rate monitoring using a non-invasive acoustic method after general anaesthesia. Br J Anaesth. 2012 maio; 108 (5): 872-5.
  8. Estudos clínicos publicados sobre a oximetria de pulso e os benefícios do Masimo SET® estão disponíveis no nosso site em http://www.masimo.com. Estudos comparativos incluem estudos independentes e objetivos compostos por resumos apresentados em reuniões científicas e artigos de periódicos revisados por especialistas.
  9. Castillo A et al. Prevention of Retinopathy of Prematurity in Preterm Infants through Changes in Clinical Practice and SpO2 Technology. Acta Paediatr. Fev 2011;100(2):188-92.
  10. de-Wahl Granelli A et al. Impact of pulse oximetry screening on the detection of duct dependent congenital heart disease: a Swedish prospective screening study in 39,821 newborns. BMJ. 2009;Jan 8;338.
  11. Taenzer AH et al. Impact of pulse oximetry surveillance on rescue events and intensive care unit transfers: a before-and-after concurrence study. Anesthesiology. 2010:112(2):282-287.
  12. Taenzer A et al. Postoperative Monitoring – The Dartmouth Experience. Anesthesia Patient Safety Foundation Newsletter. Primavera-verão 2012.
  13. McGrath SP et al. Surveillance Monitoring Management for General Care Units: Strategy, Design, and Implementation. The Joint Commission Journal on Quality and Patient Safety. 2016 Jul;42(7):293-302.
  14. Estimativa: Dados arquivados sobre a Masimo.
  15. http://health.usnews.com/health-care/best-hospitals/articles/best-hospitals-honor-roll-and-overview.

Declarações prospectivas

Este comunicado de imprensa inclui declarações prospectivas conforme definido na seção 27A da Lei de Valores Mobiliários de 1933, e seção 21E da Lei de Bolsa de Valores de 1934, em conexão com a Lei de Reforma de Controvérsias de Títulos Privados de 1995. Essas declarações prospectivas incluem, entre outras, declarações relacionadasàeficácia potencial do Masimo Patient SafetyNet™ e RRa®. Essas declarações prospectivas têm como base as expectativas atuais quanto a eventos futuros que nos afetem e estejam sujeitos a riscos e incertezas, todos de difícil previsão e muitos deles além do nosso controle, os quais poderiam fazer com que nossos resultados reais divergissem de modo considerável e adverso dos expressos em nossas declarações prospectivas devido a diversos fatores de risco que incluem, entre outros: riscos associados às nossas suposições quantoàcapacidade de repetição de resultados clínicos; riscos associadosànossa convicção de que as tecnologias exclusivas de medição não invasiva da Masimo, inclusive o Patient SafetyNet e RRA da Masimo, contribuem para resultados clínicos positivos eàsegurança dos pacientes; riscos associadosànossa convicção de que as inovações médicas não invasivas da Masimo oferecem soluções economicamente acessíveis e vantagens únicas; bem como outros fatores mencionados na seção “Fatores de risco” de nossos relatórios mais recentes protocolados juntoàComissão de Títulos e Valores Mobiliários (Securities and Exchange Commission, “SEC”), os quais podem ser obtidos gratuitamente no site da SEC em www.sec.gov. Apesar de acreditarmos que as expectativas refletidas em nossas declarações prospectivas sejam razoáveis, não sabemos se nossas expectativas serão corretas. Todas as declarações prospectivas incluídas neste comunicado de imprensa são expressamente qualificadas em sua totalidade pelas declarações de advertência precedentes. Advertimos os leitores a não confiar indevidamente nessas declarações prospectivas, que dizem respeito apenasàdata de hoje. Não assumimos qualquer obrigação de atualizar, corrigir ou esclarecer tais declarações ou os “Fatores de risco” descritos em nossos mais recentes relatórios protocolados juntoàComissão de Valores Mobiliários (SEC), seja ou não como resultado de novas informações, eventos futuros ou de outra forma, exceto conforme possa ser exigido pelas leis de valores mobiliários aplicáveis.

O texto no idioma original deste anúncio é a versão oficial autorizada. As traduções são fornecidas apenas como uma facilidade e devem se referir ao texto no idioma original, que é a única versão do texto que tem efeito legal.

Contato:

Masimo

Evan Lamb

949-396-3376

elamb@masimo.com

Fonte: BUSINESS WIRE

Web Site:

Estudo usa o Patient SafetyNet™ da Masimo e o rainbow Acoustic Monitoring® (Monitoramento Acústico rainbow) para investigar a incidência de dessaturação e bradipneia em pacientes pós-operatórios

NEUCHÂTEL, Suíça 21/11/2019 –

A Masimo (NASDAQ: MASI) anunciou hoje que, em um estudo recentemente publicado no Journal of Clinical Monitoring and Computing, pesquisadores da Nippon Medical School em Tóquio, Japão, usaram o Patient SafetyNet™ da Masimo e o rainbow Acoustic Monitoring® (RAM®), monitorização da taxa de respiração acústica com RRa®, como um sistema de monitoramento contínuo centralizado para identificar a incidência e preditores de dessaturação e bradipneia em pacientes no pós-operatório – concluindo que “o uso de sistemas de monitoramento pode fornecer uma rede de segurança para pacientes no pós-operatório”.1

Este comunicado de imprensa inclui multimédia. Veja o comunicado completo aqui: https://www.businesswire.com/news/home/20191121005684/pt/

Masimo Patient SafetyNet™, Root® with Radius-7®, RRa®, and SET® (Photo: Business Wire)

Masimo Patient SafetyNet™, Root® with Radius-7®, RRa®, and SET® (Photo: Business Wire)

O Patient SafetyNet é um sistema suplementar de monitoramento remoto, vigilância de pacientes e notificação clínica que trabalha em conjunto com a Masimo e dispositivos de monitoramento de cabeceira de terceiros para exibir dados quase em tempo real nas estações centrais. A RAM com RRa usa um transdutor acústico posicionado no pescoço do paciente para fornecer monitoramento contínuo e não invasivo da respiração.

Levantando a hipótese de que dessaturação e bradipneia pós-operatórias podem ocorrer mesmo em pacientes não internados em UTIs sem complicações graves e em pacientes que não foram submetidos a grandes cirurgias, os drs. Masashi Ishikawa e Atsuhiro Sakamoto montaram um sistema de monitoramento pós-operatório centralizado na enfermaria geral para investigar quão comuns são esses eventos para esses pacientes (e o que pode prevê-los). Eles analisaram dados demográficos e de monitoramento de 1.064 pacientes adultos submetidosàanestesia geral por vários procedimentos cirúrgicos durante um período de quatro meses. Os pacientes foram monitorados usando um oxímetro de pulso e um sensor RRa por pelo menos 8 horas após a cirurgia, dados que foram automaticamente transferidos para o Patient SafetyNet.

A partir dos dados armazenados no Patient SafetyNet, os pesquisadores foram capazes de analisar retrospectivamente a incidência de dessaturação (definido como SpO2 < 90% para > 10 segundos) e bradipneia (definida como frequência respiratória < 8 respirações/minuto para > 2 minutos). Eles descobriram que 12,1% dos pacientes exibiram dessaturação (244 eventos entre 129 pacientes), com a maioria ocorrendo após o término da administração de oxigênio e 50,8% dos eventos ocorrendo mais de 8 horas após a cirurgia. Eles descobriram que 5,1% dos pacientes exibiram bradipneia (112 vezes entre 54 pacientes), com 72,3% dos eventos ocorrendo durante a suplementação de oxigênio e com maior incidência na primeira hora após a cirurgia. Idade, índice de massa corporal e estado de tabagismo atual foram fatores de risco significativos para a dessaturação. A síndrome da apneia do sono e a administração de opioides no pós-operatório foram fatores de risco significativos para bradipneia. A idade e a administração de opioides no pós-operatório foram fatores de risco significativos para a combinação de dessaturação e bradipneia.

Os pesquisadores concluíram: “Nosso estudo sugere que o uso de um sistema de monitoramento respiratório contínuo e centralizado durante a noite no pós-operatório é desejável para o tratamento pós-operatório na enfermaria geral, o que provavelmente melhoraria a segurança dos pacientes no pós-operatório, especialmente aqueles com fatores de risco para depressão respiratória.”

Os pesquisadores comentaram vários métodos de monitoramento da frequência respiratória, afirmando: “O monitoramento contínuo e centralizado da saturação de oxigênio e da frequência respiratória pode detectar depressão respiratória antes de resultar em eventos críticos, como parada cardíaca. Atualmente, vários métodos de monitoramento da frequência respiratória são utilizados, incluindo contagem manual de respirações por um cuidador, capnografia e medição de impedância transtorácica. A contagem manual de respirações (como ausculta) é um método intermitente, trabalhoso e pouco confiável. A capnografia fornece monitoramento preciso e contínuo, mas requer uma interface nasal ou facial, que pode ser desconfortável e pode levaràfalha se a interface for movida. A impedância transtorácica é não-invasiva e pode detectar esforços respiratórios, mas é incapaz de detectar hipoventilação alveolar causada por obstrução das vias aéreas.”2-6

Além disso, os pesquisadores comentaram sobre a RAM com RRa, o método de monitoramento da frequência respiratória usado no presente estudo, e referenciaram outro estudo no qual foram comparados RRa e capnografia, afirmando: “A RRa é um dispositivo de monitoramento acústico que mede continuamente a frequência respiratória e é tão precisa quanto a capnografia em pacientes extubados.7 As atividades do paciente, como conversar, tossir e chorar, afetam os resultados da RRa e da capnografia. Os erros de medição durante essas atividades, no entanto, não são clinicamente relevantes porque exigem que os pacientes estejam acordados e respirando. Além disso, o sensor RRa parece ser bem tolerado e não mais sujeito a erros do que a capnografia.7 O RRa foi considerado um dispositivo confiável e teve menos complicações neste estudo. ”

@MasimoInnovates | #Masimo

Sobre a Masimo

A Masimo (NASDAQ: MASI) é uma empresa médica global que desenvolve e produz uma vasta gama de tecnologias líderes no setor, o que inclui soluções inovadoras de aferição, sensores, monitores de pacientes, automação e conectividade. Nossa missão é melhorar os resultados do paciente e reduzir o custo do tratamento. A SET® da Masimo, por meio de oximetria de pulso Measure-through Motion and Low Perfusion™, introduzida em 1995, mostrou em mais de cem estudos independentes e objetivos que supera outras tecnologias de oximetria de pulso.8 A SET® da Masimo também demonstrou ajudar médicos a reduzir a retinopatia de prematuridade em neonatos,9 aumentou a detecção de CCC em recém-nascidos,10 e, ao ser usada para monitoramento contínuo com o sistema Patient SafetyNet™ da Masimo em enfermarias de pós-cirurgia, reduziu custos, transferências de UTI e ativações de resposta de emergência rápidas.11-13 Estima-se que a SET® da Masimo seja usada em mais de cem milhões de pacientes e hospitais líderes e outros locais de assistência médica ao redor do mundo,14 e que seja a oximetria de pulso principal em nove de cada dez hospitais de acordo com a Lista de Honra dos Melhores Hospitais U.S. News and World Report em 2019-2020.15 A Masimo continua a aprimorar a SET® e anunciou em 2018 que a precisão de SpO2 em sensores RD SET® em condições de movimento foi melhorada significativamente, o que proporcionou aos médicos mais confiança de que os valores de SpO2 dos quais eles dependem refletem com precisão o estado fisiológico do paciente. Em 2005, a Masimo introduziu a tecnologia rainbow® Pulse CO-Oximetry, permitindo o monitoramento não invasivo e contínuo dos componentes sanguíneos que anteriormente só podiam ser verificados invasivamente, inclusive a hemoglobina total (SpHb®), teor de oxigênio (SpOC™), carboxihemoglobina (SpCO®), metemoglobina (SpMet®), os índices Pleth Variability Index (PVi®), RPVi™ (rainbow® PVi) e o Oxygen Reserve Index (ORi™). Em 2013, a Masimo introduziu o monitoramento de paciente Root® e a Connectivity Platform (plataforma de conectividade), construídos do zero para serem o mais flexíveis e expansíveis possível para facilitar a adição de outras tecnologias de monitoramento da Masimo ou de terceiros; adições fundamentais da Masimo incluem o equipamento de monitoramento de função cerebral de próxima geração SedLine®, oximetria regional O3® e capnografia ISA™ com tubos de amostragem NomoLine®. A família de Pulse CO-Oximeters® de monitoramento pontual da Masimo inclui dispositivos projetados para uso em diversas situações clínicas e não clínicas, incluindo tecnologia sem fio e usáveis, tais como Radius-7® e Radius PPG™, dispositivos portáteis como Rad-67™, oxímetros de pulso de dedo como o MightySat® Rx e dispositivos disponíveis para uso, seja em um hospital ou em casa, como o Rad-97®. As soluções de automação e conectividade hospitalar da Masimo estão baseadas na plataforma Iris® e incluem Iris Gateway®, Patient SafetyNet, Replica, Halo ION™, UniView™, e Doctella™. Outras informações sobre a Masimo e seus produtos estão disponíveis no site www.masimo.com. Os estudos clínicos publicados sobre os produtos da Masimo estão disponíveis em www.masimo.com/evidence/featured-studies/feature/.

ORi e RPVi não receberam liberação FDA 510(k) e não estão disponíveis para venda nos Estados Unidos. A marca comercial Patient SafetyNet é usada sob licença da University HealthSystem Consortium.

Referências

  1. Ishikawa M and Sakamoto A. Postoperative desaturation and bradypnea after general anesthesia in non-ICU patients: a retrospective evaluation. J Clin Monit Comput. 2 mar 2019. https://doi.org/10.1007/s10877-019-00293-0.
  2. Petterson MT, Begnoche VL e Graybeal JM. The effect of motion on pulse oximetry and its clinical significance. Anesth Analg. 2007;105(6 Suppl):78–84.
  3. Wilkinson JN, e Thanawala VU. Thoracic impedance monitoring of respiratory rate during sedation—is it safe? Anestesia. 2009;64(4):455–6.
  4. Cohen KP, Ladd WM, Beams DM, Sheers WS, Radwin RG, Tompkins WJ e Webster JG. Comparison of impedance and inductance ventilation sensors on adults during breathing, motion, and simulated airway obstruction. IEEE Trans Biomed Eng. 1997;44(7):555–66.
  5. Drummond GB, Nimmo AF, e Elton RA. Thoracic impedance used for measuring chest wall movement in postoperative patients. Br J Anaesth. 1996;77(3):327–32.
  6. Brouillette RT, Morrow AS, Weese-Mayer DE, e Hunt CE. Comparison of respiratory inductive plethysmography and thoracic impedance for apnea monitoring. J Pediatr. 1987;111(3):377–83.
  7. Mimoz O, Benard T, Gaucher A, Frasca D, and Debaene B. Accuracy of respiratory rate monitoring using a non-invasive acoustic method after general anaesthesia. Br J Anaesth. 2012 maio; 108 (5): 872-5.
  8. Estudos clínicos publicados sobre a oximetria de pulso e os benefícios do Masimo SET® estão disponíveis no nosso site em http://www.masimo.com. Estudos comparativos incluem estudos independentes e objetivos compostos por resumos apresentados em reuniões científicas e artigos de periódicos revisados por especialistas.
  9. Castillo A et al. Prevention of Retinopathy of Prematurity in Preterm Infants through Changes in Clinical Practice and SpO2 Technology. Acta Paediatr. Fev 2011;100(2):188-92.
  10. de-Wahl Granelli A et al. Impact of pulse oximetry screening on the detection of duct dependent congenital heart disease: a Swedish prospective screening study in 39,821 newborns. BMJ. 2009;Jan 8;338.
  11. Taenzer AH et al. Impact of pulse oximetry surveillance on rescue events and intensive care unit transfers: a before-and-after concurrence study. Anesthesiology. 2010:112(2):282-287.
  12. Taenzer A et al. Postoperative Monitoring – The Dartmouth Experience. Anesthesia Patient Safety Foundation Newsletter. Primavera-verão 2012.
  13. McGrath SP et al. Surveillance Monitoring Management for General Care Units: Strategy, Design, and Implementation. The Joint Commission Journal on Quality and Patient Safety. 2016 Jul;42(7):293-302.
  14. Estimativa: Dados arquivados sobre a Masimo.
  15. http://health.usnews.com/health-care/best-hospitals/articles/best-hospitals-honor-roll-and-overview.

Declarações prospectivas

Este comunicado de imprensa inclui declarações prospectivas conforme definido na seção 27A da Lei de Valores Mobiliários de 1933, e seção 21E da Lei de Bolsa de Valores de 1934, em conexão com a Lei de Reforma de Controvérsias de Títulos Privados de 1995. Essas declarações prospectivas incluem, entre outras, declarações relacionadasàeficácia potencial do Masimo Patient SafetyNet™ e RRa®. Essas declarações prospectivas têm como base as expectativas atuais quanto a eventos futuros que nos afetem e estejam sujeitos a riscos e incertezas, todos de difícil previsão e muitos deles além do nosso controle, os quais poderiam fazer com que nossos resultados reais divergissem de modo considerável e adverso dos expressos em nossas declarações prospectivas devido a diversos fatores de risco que incluem, entre outros: riscos associados às nossas suposições quantoàcapacidade de repetição de resultados clínicos; riscos associadosànossa convicção de que as tecnologias exclusivas de medição não invasiva da Masimo, inclusive o Patient SafetyNet e RRA da Masimo, contribuem para resultados clínicos positivos eàsegurança dos pacientes; riscos associadosànossa convicção de que as inovações médicas não invasivas da Masimo oferecem soluções economicamente acessíveis e vantagens únicas; bem como outros fatores mencionados na seção “Fatores de risco” de nossos relatórios mais recentes protocolados juntoàComissão de Títulos e Valores Mobiliários (Securities and Exchange Commission, “SEC”), os quais podem ser obtidos gratuitamente no site da SEC em www.sec.gov. Apesar de acreditarmos que as expectativas refletidas em nossas declarações prospectivas sejam razoáveis, não sabemos se nossas expectativas serão corretas. Todas as declarações prospectivas incluídas neste comunicado de imprensa são expressamente qualificadas em sua totalidade pelas declarações de advertência precedentes. Advertimos os leitores a não confiar indevidamente nessas declarações prospectivas, que dizem respeito apenasàdata de hoje. Não assumimos qualquer obrigação de atualizar, corrigir ou esclarecer tais declarações ou os “Fatores de risco” descritos em nossos mais recentes relatórios protocolados juntoàComissão de Valores Mobiliários (SEC), seja ou não como resultado de novas informações, eventos futuros ou de outra forma, exceto conforme possa ser exigido pelas leis de valores mobiliários aplicáveis.

O texto no idioma original deste anúncio é a versão oficial autorizada. As traduções são fornecidas apenas como uma facilidade e devem se referir ao texto no idioma original, que é a única versão do texto que tem efeito legal.

Contato:

Masimo

Evan Lamb

949-396-3376

elamb@masimo.com

Fonte: BUSINESS WIRE

Web Site:

Estudo usa o Patient SafetyNet™ da Masimo e o rainbow Acoustic Monitoring® (Monitoramento Acústico rainbow) para investigar a incidência de dessaturação e bradipneia em pacientes pós-operatórios

NEUCHÂTEL, Suíça 21/11/2019 –

A Masimo (NASDAQ: MASI) anunciou hoje que, em um estudo recentemente publicado no Journal of Clinical Monitoring and Computing, pesquisadores da Nippon Medical School em Tóquio, Japão, usaram o Patient SafetyNet™ da Masimo e o rainbow Acoustic Monitoring® (RAM®), monitorização da taxa de respiração acústica com RRa®, como um sistema de monitoramento contínuo centralizado para identificar a incidência e preditores de dessaturação e bradipneia em pacientes no pós-operatório – concluindo que “o uso de sistemas de monitoramento pode fornecer uma rede de segurança para pacientes no pós-operatório”.1

Este comunicado de imprensa inclui multimédia. Veja o comunicado completo aqui: https://www.businesswire.com/news/home/20191121005684/pt/

Masimo Patient SafetyNet™, Root® with Radius-7®, RRa®, and SET® (Photo: Business Wire)

Masimo Patient SafetyNet™, Root® with Radius-7®, RRa®, and SET® (Photo: Business Wire)

O Patient SafetyNet é um sistema suplementar de monitoramento remoto, vigilância de pacientes e notificação clínica que trabalha em conjunto com a Masimo e dispositivos de monitoramento de cabeceira de terceiros para exibir dados quase em tempo real nas estações centrais. A RAM com RRa usa um transdutor acústico posicionado no pescoço do paciente para fornecer monitoramento contínuo e não invasivo da respiração.

Levantando a hipótese de que dessaturação e bradipneia pós-operatórias podem ocorrer mesmo em pacientes não internados em UTIs sem complicações graves e em pacientes que não foram submetidos a grandes cirurgias, os drs. Masashi Ishikawa e Atsuhiro Sakamoto montaram um sistema de monitoramento pós-operatório centralizado na enfermaria geral para investigar quão comuns são esses eventos para esses pacientes (e o que pode prevê-los). Eles analisaram dados demográficos e de monitoramento de 1.064 pacientes adultos submetidosàanestesia geral por vários procedimentos cirúrgicos durante um período de quatro meses. Os pacientes foram monitorados usando um oxímetro de pulso e um sensor RRa por pelo menos 8 horas após a cirurgia, dados que foram automaticamente transferidos para o Patient SafetyNet.

A partir dos dados armazenados no Patient SafetyNet, os pesquisadores foram capazes de analisar retrospectivamente a incidência de dessaturação (definido como SpO2 < 90% para > 10 segundos) e bradipneia (definida como frequência respiratória < 8 respirações/minuto para > 2 minutos). Eles descobriram que 12,1% dos pacientes exibiram dessaturação (244 eventos entre 129 pacientes), com a maioria ocorrendo após o término da administração de oxigênio e 50,8% dos eventos ocorrendo mais de 8 horas após a cirurgia. Eles descobriram que 5,1% dos pacientes exibiram bradipneia (112 vezes entre 54 pacientes), com 72,3% dos eventos ocorrendo durante a suplementação de oxigênio e com maior incidência na primeira hora após a cirurgia. Idade, índice de massa corporal e estado de tabagismo atual foram fatores de risco significativos para a dessaturação. A síndrome da apneia do sono e a administração de opioides no pós-operatório foram fatores de risco significativos para bradipneia. A idade e a administração de opioides no pós-operatório foram fatores de risco significativos para a combinação de dessaturação e bradipneia.

Os pesquisadores concluíram: “Nosso estudo sugere que o uso de um sistema de monitoramento respiratório contínuo e centralizado durante a noite no pós-operatório é desejável para o tratamento pós-operatório na enfermaria geral, o que provavelmente melhoraria a segurança dos pacientes no pós-operatório, especialmente aqueles com fatores de risco para depressão respiratória.”

Os pesquisadores comentaram vários métodos de monitoramento da frequência respiratória, afirmando: “O monitoramento contínuo e centralizado da saturação de oxigênio e da frequência respiratória pode detectar depressão respiratória antes de resultar em eventos críticos, como parada cardíaca. Atualmente, vários métodos de monitoramento da frequência respiratória são utilizados, incluindo contagem manual de respirações por um cuidador, capnografia e medição de impedância transtorácica. A contagem manual de respirações (como ausculta) é um método intermitente, trabalhoso e pouco confiável. A capnografia fornece monitoramento preciso e contínuo, mas requer uma interface nasal ou facial, que pode ser desconfortável e pode levaràfalha se a interface for movida. A impedância transtorácica é não-invasiva e pode detectar esforços respiratórios, mas é incapaz de detectar hipoventilação alveolar causada por obstrução das vias aéreas.”2-6

Além disso, os pesquisadores comentaram sobre a RAM com RRa, o método de monitoramento da frequência respiratória usado no presente estudo, e referenciaram outro estudo no qual foram comparados RRa e capnografia, afirmando: “A RRa é um dispositivo de monitoramento acústico que mede continuamente a frequência respiratória e é tão precisa quanto a capnografia em pacientes extubados.7 As atividades do paciente, como conversar, tossir e chorar, afetam os resultados da RRa e da capnografia. Os erros de medição durante essas atividades, no entanto, não são clinicamente relevantes porque exigem que os pacientes estejam acordados e respirando. Além disso, o sensor RRa parece ser bem tolerado e não mais sujeito a erros do que a capnografia.7 O RRa foi considerado um dispositivo confiável e teve menos complicações neste estudo. ”

@MasimoInnovates | #Masimo

Sobre a Masimo

A Masimo (NASDAQ: MASI) é uma empresa médica global que desenvolve e produz uma vasta gama de tecnologias líderes no setor, o que inclui soluções inovadoras de aferição, sensores, monitores de pacientes, automação e conectividade. Nossa missão é melhorar os resultados do paciente e reduzir o custo do tratamento. A SET® da Masimo, por meio de oximetria de pulso Measure-through Motion and Low Perfusion™, introduzida em 1995, mostrou em mais de cem estudos independentes e objetivos que supera outras tecnologias de oximetria de pulso.8 A SET® da Masimo também demonstrou ajudar médicos a reduzir a retinopatia de prematuridade em neonatos,9 aumentou a detecção de CCC em recém-nascidos,10 e, ao ser usada para monitoramento contínuo com o sistema Patient SafetyNet™ da Masimo em enfermarias de pós-cirurgia, reduziu custos, transferências de UTI e ativações de resposta de emergência rápidas.11-13 Estima-se que a SET® da Masimo seja usada em mais de cem milhões de pacientes e hospitais líderes e outros locais de assistência médica ao redor do mundo,14 e que seja a oximetria de pulso principal em nove de cada dez hospitais de acordo com a Lista de Honra dos Melhores Hospitais U.S. News and World Report em 2019-2020.15 A Masimo continua a aprimorar a SET® e anunciou em 2018 que a precisão de SpO2 em sensores RD SET® em condições de movimento foi melhorada significativamente, o que proporcionou aos médicos mais confiança de que os valores de SpO2 dos quais eles dependem refletem com precisão o estado fisiológico do paciente. Em 2005, a Masimo introduziu a tecnologia rainbow® Pulse CO-Oximetry, permitindo o monitoramento não invasivo e contínuo dos componentes sanguíneos que anteriormente só podiam ser verificados invasivamente, inclusive a hemoglobina total (SpHb®), teor de oxigênio (SpOC™), carboxihemoglobina (SpCO®), metemoglobina (SpMet®), os índices Pleth Variability Index (PVi®), RPVi™ (rainbow® PVi) e o Oxygen Reserve Index (ORi™). Em 2013, a Masimo introduziu o monitoramento de paciente Root® e a Connectivity Platform (plataforma de conectividade), construídos do zero para serem o mais flexíveis e expansíveis possível para facilitar a adição de outras tecnologias de monitoramento da Masimo ou de terceiros; adições fundamentais da Masimo incluem o equipamento de monitoramento de função cerebral de próxima geração SedLine®, oximetria regional O3® e capnografia ISA™ com tubos de amostragem NomoLine®. A família de Pulse CO-Oximeters® de monitoramento pontual da Masimo inclui dispositivos projetados para uso em diversas situações clínicas e não clínicas, incluindo tecnologia sem fio e usáveis, tais como Radius-7® e Radius PPG™, dispositivos portáteis como Rad-67™, oxímetros de pulso de dedo como o MightySat® Rx e dispositivos disponíveis para uso, seja em um hospital ou em casa, como o Rad-97®. As soluções de automação e conectividade hospitalar da Masimo estão baseadas na plataforma Iris® e incluem Iris Gateway®, Patient SafetyNet, Replica, Halo ION™, UniView™, e Doctella™. Outras informações sobre a Masimo e seus produtos estão disponíveis no site www.masimo.com. Os estudos clínicos publicados sobre os produtos da Masimo estão disponíveis em www.masimo.com/evidence/featured-studies/feature/.

ORi e RPVi não receberam liberação FDA 510(k) e não estão disponíveis para venda nos Estados Unidos. A marca comercial Patient SafetyNet é usada sob licença da University HealthSystem Consortium.

Referências

  1. Ishikawa M and Sakamoto A. Postoperative desaturation and bradypnea after general anesthesia in non-ICU patients: a retrospective evaluation. J Clin Monit Comput. 2 mar 2019. https://doi.org/10.1007/s10877-019-00293-0.
  2. Petterson MT, Begnoche VL e Graybeal JM. The effect of motion on pulse oximetry and its clinical significance. Anesth Analg. 2007;105(6 Suppl):78–84.
  3. Wilkinson JN, e Thanawala VU. Thoracic impedance monitoring of respiratory rate during sedation—is it safe? Anestesia. 2009;64(4):455–6.
  4. Cohen KP, Ladd WM, Beams DM, Sheers WS, Radwin RG, Tompkins WJ e Webster JG. Comparison of impedance and inductance ventilation sensors on adults during breathing, motion, and simulated airway obstruction. IEEE Trans Biomed Eng. 1997;44(7):555–66.
  5. Drummond GB, Nimmo AF, e Elton RA. Thoracic impedance used for measuring chest wall movement in postoperative patients. Br J Anaesth. 1996;77(3):327–32.
  6. Brouillette RT, Morrow AS, Weese-Mayer DE, e Hunt CE. Comparison of respiratory inductive plethysmography and thoracic impedance for apnea monitoring. J Pediatr. 1987;111(3):377–83.
  7. Mimoz O, Benard T, Gaucher A, Frasca D, and Debaene B. Accuracy of respiratory rate monitoring using a non-invasive acoustic method after general anaesthesia. Br J Anaesth. 2012 maio; 108 (5): 872-5.
  8. Estudos clínicos publicados sobre a oximetria de pulso e os benefícios do Masimo SET® estão disponíveis no nosso site em http://www.masimo.com. Estudos comparativos incluem estudos independentes e objetivos compostos por resumos apresentados em reuniões científicas e artigos de periódicos revisados por especialistas.
  9. Castillo A et al. Prevention of Retinopathy of Prematurity in Preterm Infants through Changes in Clinical Practice and SpO2 Technology. Acta Paediatr. Fev 2011;100(2):188-92.
  10. de-Wahl Granelli A et al. Impact of pulse oximetry screening on the detection of duct dependent congenital heart disease: a Swedish prospective screening study in 39,821 newborns. BMJ. 2009;Jan 8;338.
  11. Taenzer AH et al. Impact of pulse oximetry surveillance on rescue events and intensive care unit transfers: a before-and-after concurrence study. Anesthesiology. 2010:112(2):282-287.
  12. Taenzer A et al. Postoperative Monitoring – The Dartmouth Experience. Anesthesia Patient Safety Foundation Newsletter. Primavera-verão 2012.
  13. McGrath SP et al. Surveillance Monitoring Management for General Care Units: Strategy, Design, and Implementation. The Joint Commission Journal on Quality and Patient Safety. 2016 Jul;42(7):293-302.
  14. Estimativa: Dados arquivados sobre a Masimo.
  15. http://health.usnews.com/health-care/best-hospitals/articles/best-hospitals-honor-roll-and-overview.

Declarações prospectivas

Este comunicado de imprensa inclui declarações prospectivas conforme definido na seção 27A da Lei de Valores Mobiliários de 1933, e seção 21E da Lei de Bolsa de Valores de 1934, em conexão com a Lei de Reforma de Controvérsias de Títulos Privados de 1995. Essas declarações prospectivas incluem, entre outras, declarações relacionadasàeficácia potencial do Masimo Patient SafetyNet™ e RRa®. Essas declarações prospectivas têm como base as expectativas atuais quanto a eventos futuros que nos afetem e estejam sujeitos a riscos e incertezas, todos de difícil previsão e muitos deles além do nosso controle, os quais poderiam fazer com que nossos resultados reais divergissem de modo considerável e adverso dos expressos em nossas declarações prospectivas devido a diversos fatores de risco que incluem, entre outros: riscos associados às nossas suposições quantoàcapacidade de repetição de resultados clínicos; riscos associadosànossa convicção de que as tecnologias exclusivas de medição não invasiva da Masimo, inclusive o Patient SafetyNet e RRA da Masimo, contribuem para resultados clínicos positivos eàsegurança dos pacientes; riscos associadosànossa convicção de que as inovações médicas não invasivas da Masimo oferecem soluções economicamente acessíveis e vantagens únicas; bem como outros fatores mencionados na seção “Fatores de risco” de nossos relatórios mais recentes protocolados juntoàComissão de Títulos e Valores Mobiliários (Securities and Exchange Commission, “SEC”), os quais podem ser obtidos gratuitamente no site da SEC em www.sec.gov. Apesar de acreditarmos que as expectativas refletidas em nossas declarações prospectivas sejam razoáveis, não sabemos se nossas expectativas serão corretas. Todas as declarações prospectivas incluídas neste comunicado de imprensa são expressamente qualificadas em sua totalidade pelas declarações de advertência precedentes. Advertimos os leitores a não confiar indevidamente nessas declarações prospectivas, que dizem respeito apenasàdata de hoje. Não assumimos qualquer obrigação de atualizar, corrigir ou esclarecer tais declarações ou os “Fatores de risco” descritos em nossos mais recentes relatórios protocolados juntoàComissão de Valores Mobiliários (SEC), seja ou não como resultado de novas informações, eventos futuros ou de outra forma, exceto conforme possa ser exigido pelas leis de valores mobiliários aplicáveis.

O texto no idioma original deste anúncio é a versão oficial autorizada. As traduções são fornecidas apenas como uma facilidade e devem se referir ao texto no idioma original, que é a única versão do texto que tem efeito legal.

Contato:

Masimo

Evan Lamb

949-396-3376

elamb@masimo.com

Fonte: BUSINESS WIRE

Web Site: