Ensine seus filhos a programar, pede Arie Halpern

Papert foi visionário em uma época que os computadores pessoais estavam longe de existir. Meio século depois, “a programação ainda está ganhando espaço nas escolas.Por isso, é importante que ensine seus filhos a programar”, pede Arie Halpern, economista e empreendedor com foco em inovação e tecnologias disruptivas.

Data: 07/12/2017

Nesta semana, o doodle (aquela animação que fica na página inicial do Google) chamou atenção para a importância da linguagem de programação para crianças. Tratava-se de uma homenagem aos 50 anos da Logo, linguagem desenvolvida em 1967 por Seymour Papert para iniciar os mais novos em programação de uma forma mais descontraída, por meio de um joguinho interativo. Papert foi visionário em uma época que os computadores pessoais estavam longe de existir. Meio século depois, “a programação ainda está ganhando espaço nas escolas.Por isso, é importante que ensine seus filhos a programar”, pede Arie Halpern, economista e empreendedor com foco em inovação e tecnologias disruptivas.

Na década de 1960, muito tempo antes dos computadores pessoais, a programação infantil deve ter soado como algo futurista e impraticável. O criador do Logo, em texto publicado pelo Google afirma que “mesmo na década de 1980, questionaram os benefícios da codificação para as crianças”. Hoje, com a massificação dos computadores pessoais, percebe-se que a programação pode ter papel fundamental para a formação das crianças e jovens. A linguagem dos códigos, no entanto, ainda não está plenamente inserida no ensino básico, nem no Brasil nem em outros países mundo afora.

É desnecessário dizer que os computadores estão cada vez mais presentes em nossas vidas. Mas então por que a linguagem da programação ainda não é ensinada nas escolas? Em tempos que as máquinas passam a substituir o trabalho humano, essa discussão deve ganhar ainda mais importância. Lidar com tecnologia desde cedo não deve ser apenas uma questão de interagir com computadores, mas sim de ampliar a confiança para usar este recurso a fim de criar novas tecnologias.

Aprender a programar parece ser uma tarefa difícil até mesmo para os mais velhos. Mas há alguns sites que facilitam esse aprendizado para todas as faixas de idade, incluindo para os mais novos. Uma das plataformas mais utilizadas pelos educadores é o Scratch, que funciona com bloquinhos que se encaixam para formar algoritmos, funcionalidade muito parecida com a do Logo. Outra iniciativa interessante para a aprendizagem de programação é o Hour of Code, movimento global da code.org disponível em mais de 40 idiomas e que atinge centenas de milhões de estudantes ao redor do globo. Pelo Brasil, uma referência na aprendizagem de programação é mantida pela Fundação Lemman. O Programaê reúne conteúdo de várias plataformas, como as citadas acima.

Além de plataformas independentes, há uma nova onda de escolas que pensam na integração total entre educação e tecnologia. É o caso das Edtechs. Além da linguagem da programação presente em diferentes atividades, as salas de aula funcionam como laboratórios de pesquisa e desenvolvimento.

Ainda que a realidade das Edtechs e da aplicação da linguagem de programação na grade escolar estejam distantes – principalmente pensando na realidade brasileira – é fundamental que a sociedade pense na importância desse tipo de aprendizagem. Em tempos que se discute o papel das máquinas em nossos empregos, é importante pensar nas máquinas como extensoras do nosso trabalho para os próximos anos.



Website: http://www.ariehalpern.com.br/

Website: http://www.ariehalpern.com.br/